sábado, 25 de junho de 2011

25º. Dia – Deus de provisão – Parte II


“Bem aventurados todos os que esperam nele” Isaias 30.18

Eu estava para ir para a faculdade e quando quis fazê-la a questão financeira sempre pegou. Minha mãe ainda estava acertando muitas dívidas e faculdade era um luxo pra mim, mas necessário pois minha mãe sempre me incentivou a estudar. Nunca vou saber o que é estudar em colégio particular pois toda vida, sempre fiz parte daquela parcela da população que dependia do ensino público. Nos 2 primeiros anos do colegial estudava a noite, numa escola de fama ruim, de maus elementos. No último ano, me mudei de bairro e portanto, mudei de escola. Fui para outra escola um pouco melhor, mas com alunos mais "nerds" e claro, mais "ricos" do que eu. Evidentemente eu me sentia mais inadequada como nunca já que todo mundo já sabia que universidade fazer e como pagar. Mas na minha casa, não tínhamos a mínima idéia de como pagar uma universidade.
Quando estava no colegial, em todas as provas preparatórias de vestibular, eu estava lá fazendo os simulados, mesmo que eu fosse mal. A maioria das minhas colegas de classe ou se casaram cedo ou tiveram filhos e eu tinha que me esforçar para ter um futuro melhor. Eu queria estudar primeiro.
Prestei vestibular aqui em SP para engenharia (eu adorava desenhar plantas de casas) e em Mogi das Cruzes, grande SP, para Comunicação Social. Para se inscrever não precisava de dinheiro (ainda bem porque eu não tinha), e sim 1 kg de alimento não perecível, então eu fui. Passei nos 2 vestibulares mas como ir para Mogi era mais barato, resolvi estudar lá. Eu não tinha idéia do que me esperava: estudar de manhã, 2 horas de ida e volta, todos os dias por 4 anos além de trabalhar SP. Foi nesse longo trajeto que desenvolvi gosto pela leitura. Quando a aula acabava e eu vinha embora, eu dava a volta na estação e cortava caminho pela linha do trem para não ter que pagar passagem. Utilizar uma passagem no meio de um muro era uma forma meio que ilícita de economizar uns trocados. Dessa forma conseguia comprar presentinhos para minha mãe, meu pai e dia dos namorados..rs
Ainda tentava achar um emprego decente. Os estágios na minha área não pagavam um valor decente que custasse o sacrifício das minhas viagens de ida e volta então o jeito era continuar procurando emprego na cidade de SP mesmo. Consegui trabalho de um dia numa loja de roupas para nunca mais. Meus pés ficaram cheios de bolhas e além de o trabalho ser só por comissão, saí de lá sem ter vendido nada e muito menos sem ter recebido ao menos o vale transporte.  Mas não desanimei afinal eu precisava pagar a facul.
Nos 2 primeiros anos meus pais me ajudaram nos custos com a faculdade mas eu não me acomodei. Eu sabia que eles tinham contas pesadas pra pagar e eu quis me virar. Arrumei emprego em uma área de atendimento, vendas por tel., e o salário era só comissão novamente. Fiquei um mês lá e meu primeiro salário foi de uns R$ 150,00. Saí de lá para fazer um estágio em outra empresa onde só nessa empresa eu  participei de umas 5 dinâmicas e nada de passar. Acho que a pessoa do RH ficou com dó de mim e resolveu me dar uma chance então comecei a trabalhar lá, em atendimento também, mas dessa vez era em SAC (Serviço de Apoio ao Cliente). Na verdade lá era mesmo um "SACo", pois eu tinha que ser “psicóloga” pra ouvir por 6 horas por dia, só reclamação de clientes. Nesta empresa, passei a ganhar um pouco melhor, uns R$ 400,00 mais o vale transporte. Minha faculdade custava uns R$ 390,00 na época, o que ainda era muito caro pra gente.
Como minha faculdade era um gasto pesado no orçamento comecei a atrasar os pagamentos das mensalidades. Pra continuar estudando eu ficava devendo o ano inteiro e depois negociava tudo. A situação chegou a um ponto que não tinha mais o que negociar. Não tinha mais o que fazer, tentei até fazer um Fies, mas a faculdade recusou e eu precisava mesmo é de um mliagre.
Nessa época meu pai já estava há algum tempo tentando se aposentar e bem neste momento a aposentadoria saiu. Meu pai pegou todo o dinheiro, deu pra mim e disse para eu pagar toda a dívida. Não acreditei no que ele estava fazendo.
Meu pai tinha um sonho de me ver formada e por isso peguei aquele dinheiro. Até hoje dá uma vontade de chorar quando lembro daquele dia porque Deus proveu. Meu pai nem é cristão mas eu vi naquele dia o amor de Deus por mim. Não era pelo dinheiro, mas eram mais de 15 anos trabalhados sem ter uma falta, um atraso, eram as horas extras que ele tinha feito pela nossa casa e quando ele pôde, ele não pensou nele. Quanto amor!
Paguei a faculdade mas ainda tinha uns 2 anos pela frente. Nesse tempo que eu continuava naquela empresa de atendimento, houve um período e, que todo mundo estava sendo efetivado. Eu era uma simples estagiária. Depois de quase um ano lá, estava pensando em sair. Foi quando fui chamada para fazer testes numa grande empresa.
Por causa disso eu não queria ser registrada onde eu estava, porque em breve eu ia sair de lá. Como eu nunca faltava, comecei a fazer testes para ir para outra empresa. Faltava toda a semana para fazer dinâmicas e testes e isso despertou a curiosidade do meu atual chefe. Orei ao Senhor pedindo para passar nestes testes senão eu iria ser mandada embora da outra empresa por faltas! Fiz os testes, concorri com outros candidatos melhores que falavam várias linguas, tinham formação em universidades de renome e ainda muita experiência profissional. Pela misericórdia do Senhor, chamaram uma mera estudante de comunicação social, sem experiência e com um péssimo inglês, tipo eu! Só posso dizer que sai daquela empresa de atendimento e fui para esta outra maior, uma empresa de grande porte  que pela graça e misericórdia de Deus, consegui me estruturar, paguei meus estudos, cursos e gastos de casamento quando o Rê estava desempregado, enfim, estou nesta empresa até hoje e há quase 10 anos. Olhando para trás e ver quem eu era, de onde Deus me tirou, do quê e de quem me livrou para me colocar onde estou hoje, só posso testemunhar que existe sim um Deus provedor. Toda glória eu dou somente a Ele!
Rapidamente quero contar só mais um pequeno testemunho. Na minha festa de casamento não ia ter Buffet (eu ia só servir alguns comes e bebes bem simples!). Minha mãe tinha feito um consórcio de um produto que ela queria pra cozinha dela que era um sonho, onde ela ficou pagando por uns 2 anos se não estou enganada! Quando ela terminou de pagar, ela não pegou o produto e preferiu dar o dinheiro para o Renato e eu para que pudéssemos ter um Buffet. Eu tenho para sempre uma dívida de amor para com meus pais.
Deus sempre supre. Ele é fiel e um Deus de provisão. Ele sempre nos tira de algo para algo maior. Deus me honrou e eu sempre continuei firme. Deus proveu minha faculdade, meu trabalho, meu casamento e sempre será o meu e o seu provedor. O Senhor é o meu pastor, nada me faltou, nada me falta e nada me faltará.Esta provisão tem também para você. Basta somente crer.
"E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades"
Para meditar: I Samuel 7.12, Colossenses 4, Lucas 1.37
Canção de oração: Se tu quiserer crer - Soraya Moraes

Curtiu o Blog? Registre aqui!