terça-feira, 14 de junho de 2011

14º. Dia – Aniversário de casamento!


“Converteste o meu pranto em festa; tiraste o meu pano de saco e me cingiste de alegria, para que o meu espírito te cante louvores e não se cale”  Salmos 30.11-12

Oba, hoje faz 3 anos que estamos casados e neste momento tenho um flashback. Já passamos por muita coisa juntos, muitas aventuras e claro, muitas experiências! Quero fazer uma homenagem a isso, dar um brinde a Deus e ao amor! Por isso quero começar este post contando alguns “podres”, algumas coisas engraçadas que vocês merecem saber..rs 

Quando eu orava a Deus pedindo um casamento, eu nem imaginava o que estava pedindo. Eu achava que tudo seria tranquilo e que morar com outra pessoa seria algo super fácil! Nos primeiros dias do nosso casamento, passada a fase de”abrir os presentes” e tals, começaram os primeiros “arranca-rabo”, entre o Renato e eu. Simplesmente por causa de dois mínimos objetos: um gel de cabelo e meus sapatos. 

Quando eu morava com minha mãe, era comum deixarmos os sapatos na porta da sala ao entrarmos na casa. Quando me casei, fiz igual. Toda vez que eu entrava em casa, deixava meus sapatinhos lá e ficava descalça andando pela casa. O Renato brigava comigo porque pra ele, os sapatos deveriam estar no tanque, na nossa área de serviço. Ele observava isso dia após dia e se irava por dentro. Um dia, depois de tanto ele falar, resolvi mudar o lugar dos meus sapados. Tive que ceder...("que chato", foi o que pensei na hora...)

Só que ele também tinha um problema com o gel de cabelo e as tomadas de energia elétrica. Toda a vez que ele usava o gel, ele deixava a tampa aberta. Quando ele passava pelos cômodos da casa, deixava as luzes acesas. Por onde o Renato passava, lá ia eu atrás dele para tampar o gel e apagar as luzes. Um dia eu acho que ele se cansou e aprendeu a tampar as coisas e a cuidar da conta da energia elétrica..rs

Graças a Deus que as diferenças nos ajudam a querer ainda mais a manter a paz do Senhor no lar..rs

Depois que casamos, também é comum ganhar uns kilinhos a mais. Renato e eu éramos duas varetas apaixonadas  que, depois que unimos nossas escovas de dente, ficamos mais felizes. Logo, engordamos! rs (mas não muito.rs)

Quando a gente pensa em se casar também é legal a forma como vemos o casamento. É tudo tão cor de rosa ou clean! Pelo menos pra mim pois eu achava que minha casa sempre ficaria limpinha e com os móveis novos, assim como no dia em que casamos. Eu achava que jamais, e em hipótese alguma, eu queimaria o arroz e que minha comida seria a melhor de todas..rs

Já faz três anos e de vez em quando, ainda deixo o arroz queimar!

           Também não me era muito atraente a idéia de dormir com alguém que ronca e que solta pum rsrs! Uma vez, quando ainda namorávamos, lembro que Renato e eu estávamos dentro do carro conversando e naquele dia estava chovendo muito. Ele disse que ouviu um barulho e saiu do carro pra ver o que era. Eu, toda inocente, fiquei pensando: “o que será que ele ouviu pra sair nessa chuva?”. Ele até deu uma batidinha no carro (pra me enganar, óbvio). Quando ele voltou ele não disse que não era nada. Depois que nos casamos, ele disse que tinha saído do carro para soltar um pum, pois ele não queria fazer feio perto de mim..rs; Tudo para manter a boa aparência no namoro!

Lembro que quando estávamos planejando o DVD do nosso casamento, alguém teve a idéia de gravar depoimentos de amigos nossos, sem que víssemos. Todo mundo entrou numa salinha secreta, gravou seu depoimento e depois assistimos tudo com muita graça! Um amigo nosso e um dos meus cunhados, declarou sem medo de represálias, que o Renato roncava. Claro que nos rachamos de rir, e isso não fez com que eu me arrependesse de ter casado com ele. Conheço um casal que está mais de 10 anos juntos e nunca deram um “pum” sequer perto do outro, tamanha vergonha! Me pergunto sempre: “como eles conseguiram??”

Eu também não fico para trás gente. Essa semana mesmo minhas amigas me falaram que me viam como uma “santa”, uma pessoa que não erra. Bom, lamento dizer que embora eu não ronque, solto pum como todo mundo e minha comida não é das melhores (salvo meu feijão e macarrão!)! Também não sou muito fã de limpar a casa, fazer comida e passar roupa. Faço o básico da sobrevivência e quando o cerco pega pro meu lado, chamo uma tia muito querida pra me ajudar. Trabalhar fora, cuidar da casa, do Blog, ter uma vida com Deus. tomar decisões, ter tempo para escrever e ainda estar bela para o amado é praticamente um milagre (só o Blog me custa em média mais que 2 horas por dia). Sábado é um dia sagrado para mim: gosto de acordar tarde, porém lavo o banheiro, ouvir um som alto e dar uma arrumada na casa e na cabeleira! Rotina de casado existe sim mas a cada dia que passa temos que fazer algo diferente ou criativo para quebrar essa rotina. Não consigo me imaginar por exemplo, ficando o tempo todo em casa, toda horrorosa e sem idéias pra trabalhar. Preciso sair pra algum lugar, conhecer gente nova, cultura diferente e graças a Deus São Paulo é uma super metrópole pra isso. Vou numa livraria e encho minha mente com informações e depois, toda “nova” volto para casa com milhares de palavras para falar para meu amado. Só ele mesmo para me ouvir..rs

Há pouco fiquei sabendo que há uma pesquisa inglesa que diz que aquela famosa “crise dos 7 anos”  diminuiu para 3, (graças a Deus, passamos nesta fase!). Isto quer dizer que acabar um casamento hoje é mais fácil do que se pensava e eu acredito que é porque as pessoas estão menos tolerantes e mais egoístas. Não valorizam como antes seu parceiro e isso consequentemente faz o amor se esfriar. Esses dias pensando na carta que Paulo escreveu aos Corintios no cap. 13, observei as várias fases do amor e vi que não há nada que fale sobre o amor não se cansar. Se amor se cansa, então tenho que parar para pensar na forma que, como esposa, tenho agido.

Mas ainda, a vida de casado tem sua beleza. Conhecemos um outro casal, já senhores, que estão casados há mais de 30 anos. O marido nos disse que nunca gostou de comer batatas, por exemplo. Quando ele se casou ele não contou pra sua esposa. Assim, para não deixá-la triste ele passou anos e anos comendo batatas porque ela o amava e ele via que ela fazia tudo pra ele com muito amor. Hoje, ela já sabe e mesmo assim ele continua comendo batatas. Foi uma história incrível de doação, de deixar o egoísmo de lado e fazer o casamento valer apena; de pagar um preço por amor. 

Estou contando essas coisas pra vocês verem que Renato e eu por exemplo, somos só um casal jovem entre milhares que tenta fazer o casamento dar certo (ainda estamos bem no comecinho da jornada). Deus nos presenteia com um matrimonio, mas são muitas as responsabilidades que nem sempre o outro coopera para dar certo, acho que é isso que dificulta os casamentos. No final do dia, Renato e eu sempre falamos alguma piada (suja ou não..rs), alguma besteira para rirmos de alguma coisa, rir da própria desgraça ou rir a toa..rs

Hoje, queremos comemorar nosso aniversário, quem sabe indo no Outback, tudo depende da correria de hoje! Independentemente disso, todos os dias tentamos curtir cada momento juntos! Hoje, só quero agradecer muito a Deus por ter colocado uma pessoa tão especial ao meu lado. Que chora junto comigo assim como se alegra também junto comigo. Que me dá broncas assim como sonha comigo. São 3 anos de bênçãos, da alegria de Deus em nossas vidas, da presença daquele que dia após dia suas misericórdias se renovam a cada manhã!!! Obrigada meu Deus :)
 
Para meditar: I Coríntios 13 e Salmos 126, Provérbios 18.22
Canção de oração: Everything  about you - Darlene Zschech (tradução aqui)

Curtiu o Blog? Registre aqui!