domingo, 26 de fevereiro de 2012

Todas as coisas

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.
Romanos 8.37
Deus nunca prometeu que seria fácil. Mas ele prometeu que valeria a pena.

         Será que em todas as coisas mesmo somos mais que vencedores?
           E naqueles momentos em que perdemos?
          Jó foi mais que vencedor vendo seus dez filhos morrerem e todos os seus bens serem consumidos?
          No deserto durante o êxodo o povo de Israel foi mais que vencedor?
          E atualmente, as vítimas de catastrofes, violência? Somos mesmo mais que vencedores?
          Como acreditar que coisas ruins cooperam para o nosso bem?
        Os últimos dias não tem sido os melhores pra mim, confesso que não tenho me sentido mais que vencedora, mas como resposta a todos os questionamentos eu me apego a uma certeza: Deus está presente. Com Jó, no deserto, no dilúvio, nos alagamentos, nos acidentes, nos assaltos, nas enfermidades... e Ele está comigo agora nesse momento dificil em que escrevo para vocês.
          Toda a tribulação tem produzido paciência em meu coração e enquanto eu espero Deus agir em meu favor uma coisa ele tem me ensinado: a viver para Ele e depender somente Dele.

Jaqueline de Oliveira Souza
Igreja Batista Aliança – Vila Velha- ES
Blog: mulhervirrtuosa.blospot.com
Twitter: @mulhervirtuosa

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O rio que cura

"Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo" 
Salmos 46.4


          Naamã era comandante do exército do rei da Assíria, homem valente, respeitado...
         Mas tinha uma doença terrível: a lepra. Naquele tempo não existia nenhum tratamento e o leproso era privado do convívio social e familiar.
          Imagino que Naamã ao retornar das batalhas, quando chegava em sua casa, não se via nada além de um valente guerreiro. Entretanto,  embaixo daquela armadura toda, existia um homem doente que tinha a carne consumida em vida, e que não podia sequer deitar-se com sua esposa.
          Depois de muito sofrer, orientado por uma serva, saiu a procura do profeta Elias. Elias, pra sua surpresa não o tratou com nenhuma regalia e nem fez nenhum ritual para que ele fosse curado. Apenas lhe ordenou que mergulhasse sete vezes no rio Jordão.
          Naamã se enfureceu, pois em Damasco existiam rios mais limpos e melhores que o Jordão, então, se recusou a entrar naquele rio. Seus soldados porém, o encorajaram com algo mais ou menos assim: "Já que estamos aqui, pelo menos tente".
           E Naamã foi e mergulhou sete vezes como o profeta orientou, e saiu purificado de sua lepra.
         Muitas vezes nós somos como Naamã, queremos desprezar o rio de Deus e mergulhar em outro que aos nossos olhos parece ser mais limpo, mais atrativo. Somente o rio de Deus é o rio que cura, basta somente mergulhar nele para curar a sua dor.


Jaqueline de Oliveira Souza
Igreja Batista Aliança – Vila Velha- ES
Blog: mulhervirrtuosa.blospot.com   
Twitter: @mulhervirtuosa

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Sonhos

"Não fostes vós, mais sim o Senhor que me enviou para cá"
Gênesis 45.8

          Como é bom sonhar...
          Principalmente quando são sonhos agradáveis e temos a esperança de realizá-los.
          Na bíblia, há uma história bem interessante sobre sonhos por meio da vida de um homem chamado José. José desde muito moço já era sonhador, tinha sonhos reveladores sobre os propósitos de Deus para sua vida. Por causa desses sonhos e por ser o filho preferido de seu pai, José era odiado e invejado por seus irmãos. Certo dia José tem um sonho, em que grandes feixes se curvam diante dele, também o sol e a lua se curvam diante dele. Isto deixou seus irmãos indignados, pois os mais velhos jamais iriam se prostrar diante do mais moço.
          A revolta foi tanta que para não o matarem, seus irmãos o venderam como escravo para o Egito. José passou a ser escravo de um "poderoso" chamado Potifar, mas sobretudo, tinha a confiança de seu Senhor. Entretanto, pela astucia da esposa de Potifar, José foi lançado na prisão.
       Naquele momento com certeza o coração de José muito se amargurou e ele deve ter parado de sonhar, deixado de acreditar que tudo que Deus havia plantado no seu coração um dia iria se realizar.
          Quantas vezes somos lançados em prisões por pessoas que agem com astucia para conosco?  Mas Deus nunca é pego de surpresa. Toda a ação contrária a nós só prevalece até onde Ele permite. Ele tinha planos na vida de José, Ele tem planos na sua vida também...
          Foram alguns anos na prisão até que Faraó, a maior autoridade do Egito, se agradou de José e o nomeou como governador em todas as suas terras. E finalmente, o sonho que ele teve quando ainda era menino se tornou realidade, seus irmãos e seu pai se prostraram diante dele.
          Talvez hoje você esteja em alguma prisão que tenha feito você parar de sonhar, mas apenas creia... Você só está aí porque Deus permitiu, faz parte dos planos Dele. Então, não queira entender os sonhos e os planos de Deus, busque apenas vivê-los.


Jaqueline de Oliveira Souza
Igreja Batista Aliança – Vila Velha- ES
Blog: mulhervirrtuosa.blospot.com   
Twitter: @mulhervirtuosa

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Mantendo o Equilíbrio


"Ouvi-me, vós os que seguis a justiça, os que buscais ao SENHOR. Olhai para a rocha de onde fostes cortados, e para a caverna do poço de onde fostes cavados" 
Isaías 51.1

          Existe um espaço muito pequeno, uma linha tênue que separa o orgulho da autopiedade. Como manter-se exatamente entre os dois? Por ser uma linha tênue qualquer desvio te levará a cair para um lado ou para o outro. Se pararmos para focar apenas nossas qualidades, nos tornaremos indivíduos insuportáveis e a convivência conosco seria crucial. Por outro lado ninguém gosta de conviver com pessoas que reclamam de tudo e que se consideram verdadeiras vítimas da vida. 

          O que caracteriza uma vida com Cristo é exatamente o equilíbrio, é saber que apesar das lutas somos mais que vencedores, mas também admitirmos que sem Ele nada somos. Porém muitas vezes nossa tendência é nos tornarmos soberbos e deixar com que as bênçãos que Deus nos dá em sua infinita misericórdia subam a nossa cabeça. Um segredo para manter o equilíbrio: Não foque apenas onde você está hoje, lembre-se sempre de onde Deus te tirou... Quer ir além? Acompanhe na bíblia o exemplo de pessoas que foram tirados de verdadeiros “buracos” para se tornarem heróis da fé:

Moisés foi assassino
Elias um homem deprimido
Pedro negou a Jesus
Tomé foi duvidoso
Jacó um enganador
Raabe foi uma prostituta
Jefté um filho ilegítimo

          Viu? O passado desses personagens não condiz com as maravilhosas histórias que conhecemos através da bíblia e isso nos prova que o Senhor é capaz de transformar casos perdidos em exemplos de vida. Então não importa se o seu passado não é imaculado o que importa é o que o Senhor pode fazer com o seu futuro e lembre-se que olhar para a rocha de onde foi tirado não é viver se culpando pelo passado, é manter-se humilde e não buscar a própria glória.

No amor de Cristo.

Jaqueline de Oliveira Souza
Igreja Batista Aliança – Vila Velha- ES
Blog: mulhervirrtuosa.blospot.com   
Twitter: @mulhervirtuosa

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Deus do impossível

O meu Deus, é o Deus do impossível
Jeová jiré o grande el shadai
Que abriu o mar vermelho
E ao seu povo fez passar
Que da rocha água limpa fez brotar
O meu Deus é o Deus do impossível
Que liberta encarcerados das prisões
Faz da estéril mãe de filhos
Restaura a alma do ferido
E dilata o amor nos corações.
Que dá vista aos cegos
E aos surdos faz ouvir
Faz a tempestade se acalmar
Andou por sobre o mar
E aos mudos fez falar
Paralíticos e coxos fez andar.
O meu Deus é o Deus do impossível
É o mesmo hoje e sempre há de ser
O meu Deus é o Deus do impossível
E fará o impossível pra você,
E fará o impossível por você
.

          A cada amanhecer, vemos a prova de que Deus é um Deus de possibilidades e impossibilidades.
          Quando vem uma situação em que somos desenganados por alguém, que o que vivemos não há mais saída, surge uma oportunidade de confiar no milagre do Senhor. Custe o que custar.
          A letra acima é uma canção da Aline Barros. Uma letra para cantarmos não quando está tudo bem, mas principalmente quando as coisas vão mal. É a palavra poderosa de Deus que podemos proclamar com fé de que todas as coisas são possíveis para Deus. Basta acreditar!
          Nos Salmos 139, Davi diz que Deus já conhecia todos os nossos dias sem antes eles existirem. Ele é aquele também que sabe como se formam os ossos no ventre da mulher grávida. Ora, você acha mesmo que a situação que esteja vivendo, seja surpresa para Deus?
           Em Neemias 9.19-23, está escrito que durante os 40 anos que o povo de Israel ficou no deserto, Deus nunca os desamparou. Deus nunca deixou de guiá-los de dia e de noite, não deixou faltar a água e o alimento e nem os seus pés se desgastaram porque Deus os sustentava o tempo todo. O principal para sobrevivência o povo tinha e sabe porque Deus fez isto? Para mostrar ao seu povo que Ele, é o Pastor e nada deixará faltar (Salmos 23).
         Seja em um leito, em cadeias, em desemprego, em morte, saiba que para Deus nada é impossível. Lembra da história de Lázaro a quem Jesus amava? (João 11.1-46). Quando Jesus chegou para vê-lo, mesmo sabendo antes que estava muito doente, já faziam 4 dias que Lázaro tinha morrido. Parecia tarde demais. No entando, o impossível aconteceu: Ao som da voz de Jesus, Lázaro ressussitou. Para Deus, "tarde demais" é algo que não existe na sua natureza!
          Se a má notícia chegar a sua porta, lembre-se do que Deus é capaz. Lembre-se do seu amor que é como o mar: você pode ver o seu começo mas não o seu fim. Se alegre em Deus, se possível dance! Ele é o seu Deus, o do Impossível :)

JS

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Fogo estranho no altar

          Um coração de adorador tem tudo a ver com uma casa limpa e arrumada.
      Muitas vezes dentro de nosso ser existem áreas escondidas que não deixamos Deus tocar. Queremos ocultar tudo aquilo é feio, que não cheira bem. Ai, Deus como uma pessoa presente em nossa casa, diz pra Gente:
- Quero ir naquele cômodo.
E nós dizemos:
- Senhor, fica na sala ou na cozinha...naquele cômodo não há nada de interessante pra ver.. que tal um café?
Deus continua pacientemente:
- Já vi sua sala e sua cozinha mas quero ir naquele quarto.
         Ai, passando horas tentando convencer Deus de que está tudo bem, afinal a sala e a cozinhas estão limpos, bonitos e arrumados. E aí, mais uma vez, Deus cheio de amor nos diz outra vez:
- Eu venho sempre na sua casa... que tal me deixar entrar naquele quarto e ficar com as chaves dele?
         Deus não é como a gente... ele não é como o homem que vê a aparência. Se tem algo que ele vê muito bem é o nosso coração.
         Se quisermos apresentar a Deus uma adoracão por ele verdadeira, é melhor deixar ele entrar em todos os "quartos" do nosso coração, lugar em que Ele habita, e deixar que ele coloque tudo o que for estanho pra fora, tudo o auq enão estea de acordo com a vontade Dele para nossa vida. 
         Na palavra de Deus, no livro de Levíticos (capítulos 9 e 10), vemos o início do ministério sacerdotal de Arão, irmão de Moisés e seus filhos, separados e consagrados para trabalharem na casa do Senhor. Deus falou em detalhes o que eles tinham que fazer para a glória  do Senhor vir sobre eles (Levíticos 9.1-6). Isto nos ensina que se queremos que Deus nos use poderosamente, temos que fazer exatamente o que ele nos ordena a fazer. Nem mais e nem menos. Arão tinha 2 filhos que assim como ele, foram chamados para trabalhar no templo: Nadabe e Abiú. A bíblia diz que eles acenderam incenso e trouxeram fogo profano perante o Senhor sem que tivessem sido autorizados. O profano é o contreario do que ee santo, é tudo o que ofende a santidade de Deus e como resultado, eles morreram perante o Senhor. Certamente, havia algo escondido, uma motivação errada, algo que precisava ser removido por Deus no coração dos dois irmãos e a forma que Deus usou para mostrar o quanto isso é sério, foi com a morte deles.
        Nadabe e Abiú representa talvez, muitos de nós que em algum momento não queremos ouvir Deus ou aguardar o tempo preciso para levar o sacrifício ao altar. Não queremos esperar o tempo certo de sermos levantados por Deus para levarmos o povo a adorar. Queremos dar um jeito, acrescentar isto ou aquilo sem Deus nos direcionar, queremos fazer tudo do nosso jeito e como consequencia, morremos diante do Senhor. Talvez não uma morte física e sim espiritual. Não basta ter o talento se não houver separação.
        Dá pra imaginar o coração de Arão, como pai, perder 2 filhos em um único dia. Nadabe e Abiú não eram pessoas ignorantes. Eles conheciam a a cultura e alei porque foram criados nela e portanto, sabiam que havia um Deus vivo em Israel. Depois que eles morreram, o próprio Deus falou com Arão dizendo que ele e eus filhos que ficaram vivos, tinham que fazer separação do santo e profano, do puro e impuro. Deus conhecia o coracão deles e sabia que algo precisava de conserto para o proóprio bem deles, para que continuassem vivos cumprindo o que eles foram chamados pra fazer. 
          Deus não quer ministros de sua casa que sejam marionetes do inimigo. Quer quer sejamos benção para o povo e que entremos em Sua presença de mãos limpas e coracnao puro, apresentando não um fogo estranho, mas santo no altar.

Vou deixar a música abaixo para meditarmos um pouco. A tradução dela está aqui.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Consertando o coração para adorar - Parte II

"Agora, estou resolvido a fazer aliança com o Senhor, Deus de Israel..."
II Crônicas 29.11


           Uma atitude interessante do rei Ezequias, era que ele estava resolvido a fazer uma aliança com Deus, isto é, ele estava decidido, com foco a fazer a vontade de Deus. 
          Assim, ele chama os sacerdotes e levitas para não serem negligentes com a responsabilidade com a qual era deles e sim, fazer o que era esperado. Dessa forma, sacerdotes e levitas começam a purificar o templo, começam a colocar para fora toda a imundícia, e isto aconteceu por vários dias. A bíblia diz que essa "faxina" durou 16 dias, ou seja, foi preciso um tempo pra tirar todo aquele lixo. Ainda sim, não era tempo de comemorar. 
        Ezequias se levantou de madrugada e ofereceu sacrifícios a Deus como oferta para tirar os pecados do reino e essa atitude se repetiu na vida dos sacerdotes e em toda a nação de Israel.
          O povo precisava se consertar para poder adorar. 
        Quando li esta história me perguntei porque fazemos o que fazemos? Qual a nossa intenção quando ministramos louvor ou quando falamos com Deus? Será que podemos enganar a Deus nos fazendo de santos? O que interessa para Ele é o nosso coração.
      Quando focamos tudo o que não seja Deus, reclamamos, somos ingratos, pecamos e ainda queremos justificar nossas ações culpando a todos (Exemplo: Adão e Eva. Eva pecou e culpou a serpente. Adão por sua vez culpou Eva). Se somos ministros na casa do Senhor nem lembramos de reparar, cuidar do templo em que congregamos, o que dirá o nosso coracão. Deus não  procura dons, talentos, inteligência, sua bateria ou guitarra e sabia que nem mesmo adoracão! Ele procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade. É muito triste saber que um Deus tão poderoso está a minha procura e a sua. Tomara que Ele nos encontre, mas para isso precisamos consertar o nosso coracão. 
       Antes de sermos qualquer coisa, sejamos verdadeiros para com Deus. Perdão, gratidão, reconhecer nosso pecado, alimentar nosso espírito faz parte de consertar o coracão. Façamos como Ezequias, uma nova aliança com Deus para sermos verdadeiros adoradores e não um "fogo estranho" sob o altar.

JS

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Consertando o coração para adorar - Parte I

"...este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim..."
Isaías 29.13
      
           Graças a Deus tenho um bom marido.
          Essa semana mesmo ele disse pra mim que eu estava buscando pouco a Deus. Pensei sobre isto, na minha vida como mulher de Deus e ministra na casa do Senhor e, nossa.., como me vi vazia, triste e frustrada diante do meu Deus (muitas vezes, precisamos parar para ouvir aqueles que nos amam, pois enxergam além do que nossos olhos podem ver).
      Recentemente, estive muito ferida emocionalmente. Pessoas a quem eu amava profundamente me decepcionaram de modo que não consigo nem me lembrar quando foi que isso aconteceu pela última vez. Pelo menos nesta proporcão. Devo confessar que embora eu os tenha perdoado, ainda estou em fase de cura no coracão e a cura, como qualquer machucado, precisa de tempo para cicatrizar.
      Neste tempo eu achava que Deus tinha se esquecido de mim. Se alguém me dissesse que eu deveria agradecer por esta situação eu diria: "você só pode estar louco". Agradecer era a última coisa que eu queria fazer. Por fora eu estava super sorridente, de bem com a vida.. eu era a típica garota legal como se eu não tivesse problemas, mas por dentro, eu estava um caco. Pensei por meses naquela situacão e bem, adorar a Deus não estava em meus planos. Eu simplesmente não conseguia. Até que um dia Deus falou comigo dizendo que o meu passado ficara para trás e que a cura para o meu coracão viria pela Sua Palavra.
          De verdade, eu estava deixando entrar no meu coracão tudo aquilo que era lixo e essa sujeira foi me afastando aos poucos da alegria de servir a Deus, da presença Dele e claro, seria impossível para mim poder adorar. 
          Assim, me lembrei de uma passagem da bíblia com uma história bem interessante. No livro de II Crônicas 29, fala a respeito do rei Ezequias, uma pessoa que se propôs a fazer uma aliança com Deus e consertar o que estava errado. Naquela época, a casa do Senhor, o santuário, estava abandonado, cheio de coisas imundas. Ele se tornou praticamente um depósito de sujeira, quando deveria ter sido cuidado pelos sacerdotes e levitas, responsáveis por ela. A primeira providência de Ezequias foi reparar a porta da Casa do Senhor, o lugar que todo mundo vê, o que chama atenção, o exterior. Mas isto ainda não era o suficiente. Ainda não era tempo de comemorar. 
      Ezequias sabia que o problema era mais profundo. Era um problema do coração do povo. As atitudes dos sacerdotes e levitas precisavam ser transformadas para assim, poderem adorar verdadeiramente ao Senhor.

JS

Curtiu o Blog? Registre aqui!