quinta-feira, 24 de julho de 2014

Diário de Oracão 18º Dia - Feridos na igreja

Espírito Santo, ore por mim
Leve pra Deus tudo aquilo que eu preciso
Espírito Santo, use as palavras
Que eu necessito usar, mas não consigo
Me ajude nas minhas fraquezas
Não sei como devo pedir
Espírito Santo, vem interceder por mim
O Senhor será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia
 Salmos 9:9
Assim talvez como você eu também já fui provada nesta área e demorou muito tempo até que houvesse completa restauração na minha vida.
Acredito que todo mundo que frequenta uma igreja ou já a frequentou, em algum momento se decepcionou com as pessoas. E isto acontece mesmo! Quem sabe você pode até se identificar com o que vou dizer. Sei que nem todos gostarão dessa mensagem porque o confronto sempre dói. Pelo menos doeu em mim, mas também sei que Deus corrige a quem ama. Cada um sabe do nível de profundidade de sua ferida, mas se quisermos prosseguir na nossa jornada cristã, em uma vida eterna com Deus começando aqui na terra, precisamos nos voltar para sua Palavra e sermos curados.
É terrível como o coração doente pode contaminar outros saudáveis de todas as formas possíveis: facebook, fofocas ou pelo contrário, pelo isolamento das pessoas, da vida. Mas Deus quer nos sarar, Deus quer fazer algo novo e deixar que nossos próprios olhos vejam sua novidade de vida para nós. Lembro-me que congreguei em uma igreja por um longo tempo. Nessa igreja tive muitos momentos bons, mas muitos ruins também. Planejava ficar lá para sempre e quem sabe, se eu tivesse filhos, que eles fossem amigos dos meus “amigos”. Tinha muitos sonhos e criei todo um futuro cor-de-rosa, uma vida futura para mim nessa igreja.
Entretanto, descobri que nem todos eram meus amigos. Vi-me como Davi em Salmos 41.9. Infelizmente, a consideração que tinha pelas pessoas não era recíproca. Claro que não eram todos, haviam pessoas especiais que eu queria estar ao lado para sempre e que sei que me amavam. Estava tão ferida que me sentia a única vítima. Fiz tantas perguntas para Deus, vivia num conflito sem fim, argumentava tudo o que podia até que decidi sair de lá por um tempo para me curar e viver a vontade de Deus. Imagine, como viver a vontade de Deus se eu estava resistente ao que Ele queria me ensinar? Parecia loucura, mas enfim, eu só queria entender o que estava acontecendo, mas Deus queria algo mais: sarar minha ferida.
Saí daquela igreja e passei a frequentar outra, onde fiquei tempo suficiente para perceber que Deus estava sendo bom comigo, me abençoando com pessoas maravilhosas que gostavam de mim, que se preocupavam comigo, que acreditavam em mim. Mas o tempo foi passando e chegou a hora de voltar. Esse pensamento “maluco” me perseguiu por longo tempo, até que não encontrei outro jeito a não ser voltar, acertar com quem  fosse preciso para prosseguir e sonhar de novo as coisas de Deus para mim.
Nesse doloroso processo, Deus me ensinou algumas coisas:
- Prestaremos contas das nossas obras para Deus, sejam elas boas ou não, e isso inclui quem nos feriu e também nós.
- Eu não precisava viver com medo do passado. Não é por que as coisas não foram como planejei que tudo estava acabado. Deus é soberano e a palavra final sobre minha vida não vem dos homens, vem Dele. Ele é meu futuro.
- Melhor é o final das coisas do que o princípio (Ec 7.8). Devo me preocupar em como tudo termina, porque essa é a lembrança que ficará.
- Deus resiste ao orgulhoso, porque é pecado, e o pecado nos separa de Deus. Seja humilde, reconheça onde você errou e Deus dará sua graça (Tiago 4.6).
- Ser grato com todos, afinal, quando precisei, as pessoas estavam ali para me ajudar. O que fizeram pelo meu bem, nem que seja só uma oração por mim, não deve ser esquecida.
- Desejar a reconciliação. Orava sempre pedindo uma oportunidade para me acertar com as pessoas que eu me sentia em falta.  Desejava tanto isto que não importava mais nada em minha vida a não ser este momento. Essa experiência trouxe para mim um verdadeiro arrependimento que não me recordo de ter tido outras vezes. Arrependimento pelo tempo que perdi por achar que estava certa, por Deus ter ficado triste com aquela situação tanto quanto eu. Não vale a pena viver o peso da decepção. Não vale a pena levar tudo sobre si, se temos Jesus, aquele que tem um fardo mais leve para nos dar.
Naquela época eu sentia que Deus não se importava comigo. Mas Ele me amava e ama, como também amava e ama aquelas pessoas, mesmo sendo falhos, Ele nos ama. Ele me fez,  permitiu aquela circunstância para me ensinar que as pessoas falham e que Ele continua sendo Deus. Deus me ensinou para onde devo levantar meus olhos, quando me decepcionar. A igreja não é um local de santos e sim pecadores que se juntam para buscar a Deus. Tornamos-nos santos pelo que Jesus fez, não pelo que fazemos na nossa força.
A igreja é feita de pessoas e assim como os outros falham, nós também falhamos. Também tenho minhas manias, erros, e preciso buscar melhorar, ser uma pessoa melhor. Não posso exigir do outro o que não posso dar. O texto de Mateus 5.24 diz sobre a importância da reconciliação. Se eu quero a bênção do Senhor sobre mim, tenho que me acertar com meu irmão. Por mais doloroso que seja, é melhor obedecer à Palavra do que viver uma vida infeliz e no engano, se convencendo de que tudo está bem.
Deus falou ainda ao meu coração sobre a passagem: “Vá e volte onde caiu e se arrependa” (Ap 2.5). Lembro que quando pensei em voltar, o primeiro pensamento que tive foi:  “E se eu me ferir de novo?”; “O que as pessoas vão pensar de mim?”. O diabo sempre vai jogar sujo para impedir que você obedeça a Deus. Aprendi que devo olhar para as pessoas como Deus olharia. Deus acredita em nós, em quem podemos ser Nele. Ele sabe que vamos falhar, mas ainda escolhe nos amar. A bênção está onde há comunhão (Salmos 133). Quando temos a comunhão, a unção de Deus flui da cabeça aos pés. Nossa vida flui. Na comunhão o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.
Nenhuma literatura, mídia, ritual, remédio, por melhor que seja, vai curar a sua dor. Esse poder Deus deixou somente na Sua palavra e na oração que você faz a Ele. Não podemos mudar as pessoas. Mas podemos buscar aquele que pode e se o Senhor fez uma obra em mim também fará em você se você quiser. Aquilo que nos uniu na fé, deve ser maior do que aquilo que nos separa.
Para meditar: Salmos 41 / Romanos 8 / Salmos 121

Curtiu o Blog? Registre aqui!