sexta-feira, 4 de junho de 2010

Diário de Oração: 4º dia – Suprindo a carência

Guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes de vida
Pv 4.23

          A carência é o sentimento de falta de algo, de uma necessidade. É o sentimento que queremos preencher quando nos sentimos vazios e sozinhos. É o sentimento que queremos preencher com pessoas, quando damos todo o nosso coração à elas. A carência é o sentimento que normalmente começa em casa quando não temos um lar estruturado e que procuramos supri-la de alguma forma: nos bares, nas igrejas, nos amigos, na internet, nos filmes, ou até mesmo nas drogas.

          Adão e Eva por exemplo, é um caso de que o homem não foi feito para ficar sozinho (Gn 2.18). Parece que nem Deus seria o suficiente para o homem, e por isso criou uma ajudadora. Todos nós não fomos feitos para viver como “bicho do mato”. Deus nos fez para que tivéssemos comunhão uns com os outros; para termos sempre alguém ao nosso lado.

          O grande problema é que em muitos casos, confiamos nas pessoas erradas. Os lobos em pele de ovelhas aparecem tanto para homens quanto para mulheres e nos confundem. Ganham nossa atenção e o nosso coração e quando se aproveitam de nós, nos trocam; nos rejeitam e mais uma vez nos sentimos carentes. Quando isso não é o suficiente, nem nos envolvemos mais; simplesmente nos fechamos para tudo e todos. Procuramos novamente suprir o mesmo vazio da mesma forma e criamos um circulo vicioso.

          Na época em que fiz seminário, conheci uma jovem que foi minha colega de sala. Antes de ela ir para a igreja ela já tinha tido um histórico muito problemático na área sentimental pois ela sempre se relacionava com um rapaz “problema”, o tipo “garanhão” que vemos por aí. Eles viviam namorando e terminando o namoro. Ela veio de um lar bem desestruturado pois ela já era adotiva na família e seus irmãos não a consideravam muito. Então ela via no namorado um refúgio para sua carência. Ele sabendo disso, se aproveitava dela. Ela ainda estava se firmando na igreja e como a influencia dele na vida dela era algo bem forte, era difícil para ela deixá-lo. Os pais dele também eram da igreja e estudavam conosco no seminário. Como os pais dele a tratavam bem, era outro motivo para ela não deixá-lo.

          Seu coração era totalmente entregue a vida daquele rapaz. Ela não tinha alguém que a ajudasse a “guardar o coração”. Quando ele não estava com ela, estava com outras. Ela estava tão apaixonada que voltava sempre pra ele. Ela acabou engravidando e por causa do namorado, fez um aborto.

          Ela era desesperada por amor.

          Com certeza, nunca foi o plano de Deus que esta moça passasse pelo que passou. Deus tinha e tem muito mais pra ela, mas por ela não conhecer ou confiar em Deus, ela sofreu as conseqüências de sua escolha.

          Você que é um pai ou uma mãe, observe e aprecie mais o tempo com seu filho. Você que é casado, converse mais com o seu cônjuge. Você solteiro, não se “feche” para a vida. Se cure no Senhor. Você que vai formar uma família, guarde o coração do teu filho. Peça para Deus suprir a carência que há, pois só Deus é a fonte completa de alegria.

Com amor
Jack

Palavra devocional: Provérbios 4
Canção para meditar: Dependo de ti (Paulo Cesar Baruk)

Curtiu o Blog? Registre aqui!