sábado, 12 de junho de 2010

Diário de Oração: 12º dia - Julgo desigual – Parte II

         Como se não bastasse, o cara aqui era de novo, loiro e de olhos claros...rs

        Quando estava solteira, tinha também alguns amigos meio que desesperados em me casarem. Na minha igreja tinha poucos jovens da minha idade então, qualquer jovem que aparecesse era lucro.

         Começou a freqüentar na nossa igreja, um cara que era loiro e de olhos claros. Aparentemente alguém sério e na mesma faixa de idade que eu esperava. Eu estava no ministério de louvor e já estava cansada de esperar. Como minha igreja tem a visão de família, era muito difícil ministrar para as famílias enquanto você está solteiro. Bom, o cidadão era sempre na dele, mas meus amigos estavam muito animados em “nos juntar”. Parecia que eu estava segurando alguma placa dizendo: “Procuro um namorado. Por favor, me casem”.

          Enfim, esse moço e eu nos aproximamos e começamos a conversar naturalmente. Ele sempre me oferecia caronas pra casa e aproveitei essas caronas para conhecê-lo melhor.

          Meus amigos falavam coisas como “isso aí Jack, investe mesmo”, ou “olha o loirinho aí, isso aí Jack, está mais do que na hora”.

        Enfim, em uma dessas caronas, o abençoado me disse que era até bem de vida, porém, separado, pai de um garotinho e era ex-usuário de drogas. Esse era o testemunho dele. Fiquei passada. Realmente pensei: “Senhor, eu acho que ele não é pra mim porque não me vejo casada com uma pessoa assim. Não me vejo como madrasta e muito menos como ”fruto” de um 2º. casamento pra ele”. Isso não significa que uma pessoa nessa condição, não possa se relacionar com alguém cristão, porém, como eu tinha em mente o tipo de pessoa que eu esperava em Deus, esse rapaz não testificava no meu coração. Não trouxe paz.

          O pior de tudo, é que meus amigos não sabiam disso. Como não rolou nada, com o tempo o irmãozinho deixou de aparecer na igreja. Muito tempo depois soube que ele não se firmou na igreja e que tinha voltado a usar drogas.

          São as coisas que não vemos, mas que Deus vê.

          Se de repente eu tivesse me casado com ele, só Deus sabe que tipo de jugo eu estaria carregando sozinha neste momento.

         Em Gênesis 24, vemos Abraão como pai, desejando uma esposa para seu filho. Essa esposa ele procura no meio de sua parentela mesmo e não no meio de um povo estranho. Isso me faz enxergar o plano de Deus para nós. Deus não quer que carreguemos o fardo sozinhos. Até Jesus pediu para carregarmos o fardo que é Dele porque é mais leve do que o nosso (Mt 11.28-30). Deus quer que tenhamos alguém que nos ajude a carregar todo o peso, toda a responsabilidade. Por isso, não há necessidade de buscarmos lá fora, o que Deus tem pra nós dentro de Sua casa.

          Ainda assim, mesmo que você encontre uma pessoa cristã como você, você pode entrar em jugo desigual com ela.

         Imagine por exemplo, você que está na igreja, em uma reunião de jovens e de repente, lá no púlpito está aquela pessoa super bonita, que chama a atenção de todo mundo. De repente, essa pessoa começa a te “encarar”, a olhar pra você e logo no final do culto ela te procura. Aí você percebe que essa pessoa é tudodebom.com.br: é bonita, é bem empregada, inteligente, com chamado ministerial, enfim, todos os elogios necessários pra te conquistar, e detalhe, essa pessoa ainda chega e fala com você. O que você faz: vai orar ao Senhor sobre essa pessoa ou já se empolga e faz planos em relação a ela? Podemos entrar em julgo quando nos empolgamos já com a aparência e não nos preocupamos se esta pessoa é de Deus pra nós.

         Há uma história de um homem que vivia na igreja. Seu filho disse a sua mãe: mãe eu queria morar na igreja, porque lá meu pai é diferente. Ele trata a gente bem.

        O homem era crente, mas não era um bom pai para seu filho e nem bom marido. Ser crente não quer dizer que você não possa entrar em julgo desigual. Tudo depende do quando você busca e confia em Deus para te dar a paz e revelar quem é esta pessoa pra você.

         Ainda continuando em Genesis 24, Abraão deu a ordem para seu servo buscar uma esposa para seu filho Isaque. Este servo, representando o pai de Isaque orou e pediu sinais a Deus para ele saber quem seria a esposa escolhida do Senhor (verso 12 a 19). Mesmo buscando no meio de sua parentela (conforme ordenado por Abraão), o servo de Abraão ainda pediu sinais. E Deus os concedeu, mostrando Rebeca, a futura esposa de Isaque.

         As vezes entramos em julgo desigual, dentro da própria igreja porque não perguntamos “Senhor, qual é a sua vontade?”. O inimigo tem roubado muitos jovens assim porque simplesmente não perguntam para Deus se esta pessoa é ou não a que Deus separou para suas vidas. Se relacionam dentro da igreja, mas não buscam a Deus. Se envolvem, mas não fazem prova com Deus. Deus confirma o seu querer para o homem por meio de provas, sinais. Basta buscarmos.

          Não perca a esperança. Busque a Deus você homem ou mulher. Separe uns minutos neste momento e apresente sua causa no altar de Deus. Se você estiver em julgo desigual, ore ao Senhor e entregue este relacionamento para Deus. Estaremos orando por vocês.
Com amor
Jack e Renato

Palavra devocional: Gênesis 24

Canção para meditar: Eu sou livre (Ronaldo Bezerra)
Sugestão de leitura: Em seus passos que faria Jesus (Charles Sheldon. Ed United Press)

Curtiu o Blog? Registre aqui!